Archive | September, 2014

Leve

17 Sep

IMG_3988Viver sem carro é tão bom, uma leveza tão imensa, que fica até difícil quantificar. Depender de você mesmo, de suas pernas, ir e vir sem a necessidade de vagas, estacionamentos, pedágios, mecânicos, postos de gasolina e o estresse atrelado a isso. Quando a distância é maior, trens e ônibus que chegam no horário sem tanta lotação. Por outro lado, há lugares em que as quatro rodas têm um sentido. Significam um alento ao sofrimento, um ganho de tempo considerável e até mesmo essencial, quando a estrutura da cidade não permite a tal leveza, inclusive a massacra. Não vou entrar na questão do status, que é um fator de influência real, pois aí teria que discutir valores individuais. Quero apenas falar do carro como simples ferramenta de transporte, alternativa mais confortável quando não se têm outras boas opções. Num belo dia longínquo, São Paulo viu tornar-se inviável sua própria circulação. E nesse dia, o carro foi promovido a válvula de escape. A rejeição às decisões recentes do prefeito, de priorizar ciclovias e faixas de ônibus, vem da rejeição ao mau transporte público de décadas, à falta de planejamento de sempre, e por isso é até previsível. Porém, se não começarmos agora a evoluir, nunca chegaremos perto de sentir esse prazer na nossa cidade, o prazer do ir e vir sem a lata. O processo é doloroso e não poderia ser de outra forma. Quem depende do carro vai sofrer mais, por um tempo, enquanto quem não o têm terá (espero) seu sofrimento aos poucos diminuído. É como uma balança que começa a se equilibrar, até que o carro se torne menos necessário. Enquanto isso, paciência, e muita. Não dá para comparar nossa São Paulo com uma cidade de primeiro mundo, menor e organizada, onde o carro já se tornou supérfluo. Mas lembremos que essa cidade um dia não era assim, até que alguém estabeleceu prioridades e começou a agir. Sonhando com o dia em que São Paulo seja mais pedestre, mais duas rodas, e menos sofrida para todos.

Advertisements