Archive | March, 2011

Ponto pra você

27 Mar

Em quantos programas de pontos você se cadastrou hoje?Esses dias, por exemplo, descobri (lembrei) que estou cadastrada no da farmácia. E resolvi perguntar como funcionava, ou seja, quando é que vou ganhar uma recompensa depois de tanto demonstrar minha fidelidade ao estabelecimento. A moça do caixa simpaticamente disse que quando eu juntar 500 pontos, posso trocar por produtos. E quantos eu tenho? Ah, é só ir até o balcão e pedir para imprimir o papel de ofertas e ali você pode ver seus pontos. Fica pra próxima.

Tem também o do supermercado. Já atingi um nível em que posso resgatar 20 reais. Depois de mais de um ano de compras. Resolvi esperar mais um pouco para resgatar 50. O que nunca irá acontecer, pois quem está cadastrado é meu marido, pessoa que abomina qualquer tipo de burocracia ou conversa com telemarketings. Só ele pode ligar para a central e resgatar os tais pontos, ou seja, forget it. Mas que a gente continua firme e forte a colocar o CPF em todas as compras, ah, continua.

Sem falar da ilusão das milhas para trocar por passagens aéreas. Nunca consegui fazer uma troca decente, pois a única vez em que usei, tive que dar um considerável “money” pra complementar. Bela vantagem. Vira e mexe vem os e-mails de promoção: milhas reduzidas! Uma felicidade vem lá de dentro, uma coceirinha para encontrar um novo destino a preço de banana e lá vai você para o site. Nada feito. O site sai do ar, os destinos que te interessam continuam com preços astronômicos, a promoção não se adequa ao seu perfil de cliente (escrito em letras minúsculas), e o meu breve ímpeto de passar um feriado na Amazônia cai por terra. Mas continuo transferindo cada pontinho para os programas de milhas – tenho dois. De repente é porque ajuda a limpar um pouco a consciência na hora de fazer uma compra parceladíssima no cartão – afinal, estou ganhando pontos.

Meus amigos que vivem trocando milhas por passagens devem estar boquiabertos agora. O que posso fazer se pra mim não funciona?

Nem George Clooney no filme Amor sem escalas sabia porque é que estava juntando tantos pontos. Aliás, sabia: seu maior objetivo era conseguir 10 milhões de milhas e, assim, ser a sétima pessoa no mundo a ter um cartão ultra vip. Juntar por juntar.

Então, pra quê? Começo a acreditar que o maior ganho é puramente psicológico: o fato de saber que estamos obtendo vantagem sobre alguma coisa já é a própria vantagem. E assim vamos alimentando nossos sonhos. Que vão desde um descontinho nas compras até uma viagem transcontinental. Quem sabe não entra no catálogo uma passagem para a Lua?